Fazer sexo queima metade das calorias da corrida

Não é de hoje que os pesquisadores buscam entender o impacto do sexo na saúde e na qualidade de vida. A literatura científica aponta que na década de 1950 casais já eram avaliados durante o ato sexual. Naquela época, pairava a dúvida se o sexo poderia precipitar um ataque cardíaco.

Felizmente, vários outros estudos mostraram que a frequência cardíaca sobe durante a relação sexual, mas em níveis toleráveis. Em um estudo de 2008, por exemplo, a frequência cardíaca dos sujeitos (de meia-idade) durante o orgasmo foi parecida a de uma série de abdominais. A conclusão foi a de que o risco de parada cardíaca relacionada ao sexo é muito pequeno, mas pode ser maior quando o ato é extraconjugal...

Mas e o sexo como condicionamento físico? Quanto? Antony Karelis, professor de ciência do exercício da Universidade de Quebec, em Montreal, quis tirar isso a limpo. Ele decidiu medir a quantidade de energia realmente gasta durante o sexo. O estudo foi publicado na revista PLoS One.

Karelis e seus colegas recrutaram 21 casais de namorados heterossexuais com idade média de 23 anos. Primeiro, eles correram em esteiras por 30 minutos, enquanto os pesquisadores monitoraram o gasto de energia para depois comparar com exigências físicas do sexo.
Em seguida, os pesquisadores deram aos voluntários uma braçadeira que monitora o esforço em termos de calorias e METs (equivalente metabólico da tarefa), uma medida fisiológica que compara uma atividade com outra. Por exemplo, uma pessoa sentada e imóvel significa uma tarefa de 1 MET.

Os casais foram para casa orientados a concluir pelo menos um ato sexual por semana durante um mês, usando as braçadeiras. Também tinham que preencher questionários sobre como se sentiram em cada "sessão", fisica e psicologicamente, especialmente em comparação com a corrida na esteira.

Os pesquisadores concluíram que o sexo funciona como "exercício moderado". É uma atividade de 6 MET para os homens e de 5,6 MET para as mulheres. Isso seria equivalente a jogar duplas de tênis ou subir uma escada.

A corrida, como já era de se esperar, foi mais árdua, uma atividade de 8,5 MET para os homens e de 8,4 MET para as mulheres _embora alguns homens tenham gasto mais energia por breves períodos durante o sexo do que enquanto corriam.

Durante o sexo, os homens queimaram quatro calorias por minuto, enquanto as mulheres só três. A relação sexual durou em média 25 minutos (mas nem adianta perguntar sobre as posições porque o estudo não revelou quais foram). Na corrida, os homens queimaram cerca de nove calorias por minuto, enquanto as mulheres cerca de sete.


Resumo da ópera: o sexo pode ser considerado um exercício significativo e, por isso, vale a pena incentivá-lo como forma de combater o sedentarismo, segundo os pesquisadores. 

Noventa e oito por cento dos voluntários também relataram que fazer sexo foi mais divertido do que correr (ah, vá!). Os outros 2%, suponho, devem estar com problemas em casa.